Santarém - Pedro Abrunhosa, António Zambujo, Gilberto Gil e Tim Bernardes juntos no ciclo de conversas “Por Terras de Cabral”


O município de Santarém promove o ciclo de conversas “Por Terras de Cabral”, de 8 a 11 de outubro, um diálogo online entre Portugal e Brasil, dois países que partilham um património ímpar, feito de língua, história, música, humor, literatura ou gastronomia. Ao longo de quatro dias, oito figuras proeminentes da cultura dos dois lados do Atlântico participam num ciclo de conversas, troca de ideias e descobertas mútuas, com início às 22h00, em conversas que podem ser acompanhadas aqui.

A representar Portugal, integram os painéis Pedro Abrunhosa, António Zambujo, Bruno Nogueira, Mariana Cabral e Onésimo Teotónio Almeida, estando do outro lado do atlântico os brasileiros Gilberto Gil, Tim Bernardes, Tom Zé e Gregório Duvivier.

No dia 8 de outubro, cabe ao escritor, filósofo e ensaísta Onésimo Teotónio Almeida e ao músico e ex-Ministro da Cultura do Brasil, Gilberto Gil, inaugurarem este ciclo de conversas, com moderação do, também, escritor Valter Hugo Mãe, depois de um showcase pelo músico brasileiro Ivan Lins, às 21h30.

Nos dois dias seguintes, é a vez de quatro artistas conduzirem as conversas para os territórios da criatividade inesgotável e das colaborações cada vez mais frequentes entre músicos dos dois países: António Zambujo e Tim Bernardes, no dia 9 de outubro, com moderação do jornalista João Gobern, e a 10 de outubro, Pedro Abrunhosa e Tom Zé, com moderação do jornalista Carlos Vaz Marques. O encerramento, a 11 de outubro, estará a cargo dos humoristas Bruno Nogueira, Mariana Cabral (Bumba na Fofinha) e Gregório Duvivier, com a jornalista e escritora Inês Fonseca Santos a moderar, numa conversa em que se fará uma leitura do papel do humor na relação entre Brasil e Portugal.

Há 500 anos falecia, em Santarém, o navegador e explorador português Pedro Álvares Cabral, ficando sepultado na Igreja de Santa Maria da Graça, monumento nacional desde 1910 e um dos mais importantes exemplares da arte gótica em Portugal. Quase três séculos depois, há 198 anos, dava-se a Independência do Brasil. 

É em Santarém, cidade com mais de mil anos de História, às margens do Rio Tejo, que se encontra a Casa do Brasil/Casa de Pedro Álvares Cabral, chão de duas pátrias e solar que abrigou o primeiro europeu a conhecer o Brasil, desde o seu retorno do Oriente (1501) até à sua morte (1520). Mesmo ao lado, num dos monumentos mais emblemáticos da cidade, a Igreja da Graça, repousam os seus restos mortais e em frente a esta, uma estátua da autoria do escultor Domingos Soares Branco homenageia o português que foi casado com uma das mulheres mais ricas de Portugal, D. Isabel de Castro.

Cabral é lembrado pelos brasileiros anualmente a 22 de abril, tendo-lhe sido erguido um monumento na cidade do Rio de Janeiro e na cidade de Belo Horizonte, e dado o seu nome a uma das suas principais vias, a Avenida Álvares Cabral. Em Portugal, Cabral tem ainda monumentos em Lisboa e em Belmonte, a sua terra natal.

Comentários