A gripe A e as crianças


Por estes dias, em que a gripe A está mais calma, pelo menos nos órgãos de comunicação Social, deparei-me com alguns factos no mínimo curiosos. Passo a anunciar:

Numa escola de Lisboa os alunos foram proibidos de beber água nas casas de banho. Cada um tem de levar a sua garrafa de água e não pode haver partilha da mesma. Os alunos estão também proibidos de emprestar qualquer tipo de material escolar uns aos outros e caso algum se esqueça haverá material esterilizado. Foi pedido aos alunos que levassem dois maços de lenços por dia. Aqui deve ser perguntado: será que cada aluno vai gastar tanto lenço?Será que os pais estão dispostos a comprar tantos lenços? No fim do ano lectivo podem ir vender maços de lenços, pois certamente irão sobrar muitos e muitos maços. Haverá ainda gel desinfectante nos corredores e nas salas de aula. Contudo a Ministra da Saúde já veio anunciar que lavar as mãos com sabão azul e branco é suficiente caso não haja gel desinfectante. Estas são apenas algumas medidas que vão ser levadas a cabo a partir de hoje por uma escola de Lisboa.

Com estas medidas parece que estamos todos a dar em doidos. Considero-as extremamente abusivas extremistas e geradores de instabilidade para as crianças. Como será para uma criança de 9 anos não poder emprestar o seu lápis à colega do lado, não poderem partilhar o lanche ou irem juntas à casa de banho? O que se tem visto é que até para alguns adultos a gripe A tem sido motivo de pânico. Há medidas que fazem sentidos, mas as que aqui referi não fazem qualquer tipo de sentido. De facto a asfixia democrática existe, mas em casos como este.

Comentários

  1. Sem sombra de duvida que se anda a alarmar todas as pessoas. As crianças são quem mais vai sofre com tudo isto.

    ResponderEliminar
  2. Axo que de certeza absoluta que a empresa do gel desinfectante estava em crise e a beira da falencia, tal como as empresas dos lençoes de papel. Por isso Fazem da GRIPE A um bixo de sete cabeças, qdo apenas é um bixaninho. lolol

    ResponderEliminar

Enviar um comentário